Raquel

Línguas: Português (Brasileiro) & Inglês

Olá olá!

Eu sou Raquel, jornalista brasileira, atualmente morando e estudando em Lisboa. Faço mestrado no departamento de Cultura e Comunicação e mesmo daqui já posso ver as interrogações sobre a sua cabeça, se perguntando como eu me tornei celebrante de casamentos. Já vamos chegar nessa parte!

Eu sempre gostei muito de pessoas. Na adolescência, estudei em uma escola bicultural ítalo-brasileira. A ideia dos meus pais era que eu fizesse o Curso Técnico em Turismo. Mas eu fui seduzida pelas humanidades. Nessa escola, eu fui parte da equipe da revista cultural, e essa experiência levou-me a escolher Jornalismo quando fiz a faculdade.

Depois de formada, eu trabalhei por cerca de cinco anos como repórter no principal jornal de Minas Gerais. Lá, tive a oportunidade de entrevistar pessoas como o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani e também fiz matérias sobre assuntos muito íntimos e pessoais, como a minha primeira capa de jornal, sobre famílias com filhos adotados. Eu amava a vida na redação e, com o tempo, me dei conta de que a minha parte preferida era ouvir a história das pessoas e contá-la a outras pessoas.

Em 2016, fui mordida pelo bichinho da mudança e decidi mudar-me para a Europa para estudar. Fiz uma pós-graduação em Indústrias e Culturas Criativas e continuei para o mestrado em Cultura e Comunicação.

Toda essa história fala muito sobre a minha vida, mas ainda não conta como eu me tornei uma celebrante de casamentos. Na adolescência, ia aos casamentos pela convenção social (e pela festa!). A mágica começou a acontecer quando os meus amigos começaram a se casar. Foi nessa época que vi os primeiros casamentos que realmente faziam sentido para mim. Cerimônias feitas para os noivos que falavam sobre os noivos de uma forma muito íntima e pessoal. Foram essas experiências que mudaram a minha forma de ver os casamentos.

O que atraiu você para ser uma celebrante de casamentos?

Foi uma série de fatores. Em primeiro lugar, o fato de adorar conhecer pessoas e ouvir suas histórias. Depois, o prazer que tenho em compartilhar essas histórias com outras pessoas. Por fim, a energia dos casamentos e ter o privilégio de estar nesse ambiente de amor e positividade.

O que você mais gosta em ser uma celebrante de casamentos?

Acredito que a minha parte preferida é a onda de amor no dia da cerimônia. Não só o casal emana amor de cada poro, como todos os convidados estão ali com os melhores pensamentos e a energia mais positiva, enviando toda essa energia para o casal. É até difícil de descrever, mas com certeza todos que já estiveram em uma cerimônia especial de casamento vão saber do que eu estou falando.

Qual a coisa mais importante que o casal deve considerar na criação da cerimônia de casamento?

É muito importante que eles considerem o que faz sentido para eles. Muitos casais optam por fazer cerimônias muito tradicionais para agradar às famílias ou atender às expectativas sociais e, no fim, acabam sentindo que o casamento é sobre eles. É quando os noivos fazem escolhas com base nas suas personalidades e na sua história enquanto casal que as coisas começam a ficar realmente interessantes.

O que você deseja para os casais a quem você casa?

Prosperidade e harmonia, acima de tudo. Que eles tenham a companhia um do outro para passar pelos bons e maus momentos e que consigam rir, até quando as coisas não saírem como o planejado.

Raquel